6 de mai de 2008

Querer saber
porque não estás;
Falar-te, ouvir-te
de perto, sentir-te.
Pedir-te uma vez mais
o conforto que impulsivamente me dás
e dar-te em troca a mão
que balança desengonçada.

Um comentário:

cb disse...

Não deixaste.

Não deixaste de saber escrever.

Não deixaste de me fazer sorrir.

Não deixaste de estar longe.

Não deixaste de deixar a porta entreaberta do teu coração que me deixa sempre com um pé dentro e outro fora.

Não deixaste.

Não deixaste que eu te beije.

Nem sequer a alma.

Não deixaste.

Nem eu te vou deixar.

Um beijo sereno sem deixar de ser bom.